Read A Deusa sentada by Helena Marques Online

a-deusa-sentada

Romance escrito pela autora portuguesa Helena Marques e publicado em 1994. Depois da morte dos pais, Laura e a prima, Matilde, partem para Malta, à procura das suas raízes familiares. O regresso às origens, implicando um processo de catarse, que passa pela reflexão sobre o contexto geracional e histórico que agiu sobre os seus destinos, com uma incursão amarga sobre o fracRomance escrito pela autora portuguesa Helena Marques e publicado em 1994. Depois da morte dos pais, Laura e a prima, Matilde, partem para Malta, à procura das suas raízes familiares. O regresso às origens, implicando um processo de catarse, que passa pela reflexão sobre o contexto geracional e histórico que agiu sobre os seus destinos, com uma incursão amarga sobre o fracasso da utopia da geração de sessenta e sobre um 25 de abril que chegou tarde de mais para as vítimas da revolução adiada, confinará com o reencontro de uma harmonia perdida, propiciada pelo espaço fascinante de Malta. Por isso, "mais do que a divindade pré-histórica de Hagar Quim, é Malta, ela própria, pela soberana resistência a invasões e ocupações, pela sólida, sábia preservação da sua cultura e da sua identidade, que dá o nome ao livro"...

Title : A Deusa sentada
Author :
Rating :
ISBN : 9789722011983
Format Type : Paperback
Number of Pages : 213 Pages
Status : Available For Download
Last checked : 21 Minutes ago!

A Deusa sentada Reviews

  • Elsa
    2019-06-02 03:57

    Amei a história, embora já a tenha lido há demasiado tempo para me conseguir lembrar dos pormenores, por isso deixo aqui uma descrição que encontrei.Romance escrito pela autora portuguesa Helena Marques e publicado em 1994.Depois da morte dos pais, Laura e a prima, Matilde, partem para Malta, à procura das suas raízes familiares. O regresso às origens, implicando um processo de catarse, que passa pela reflexão sobre o contexto geracional e histórico que agiu sobre os seus destinos, com uma incursão amarga sobre o fracasso da utopia da geração de sessenta e sobre um 25 de abril que chegou tarde de mais para as vítimas da revolução adiada, confinará com o reencontro de uma harmonia perdida, propiciada pelo espaço fascinante de Malta. Por isso, "mais do que a divindade pré-histórica de Hagar Quim, é Malta, ela própria, pela soberana resistência a invasões e ocupações, pela sólida, sábia preservação da sua cultura e da sua identidade, que dá o nome ao livro" (da contracapa).