Read Os Três Casamentos de Camilla S. by Rosa Lobato de Faria Online

os-trs-casamentos-de-camilla-s

Não é a azálea de hoje que me enfeitiça as lembranças mas a de há oito décadas, e não encontro, dentro de mim, diferença entre essa louca de quinze anos e o meu moribundo coração.Os Três Casamentos de Camilla S. é a autobiografia de uma velha senhora que aos noventa anos decide contar a sua vida, incluindo o que ela possa ter de inconfessável. Desde os ambientes à narrativNão é a azálea de hoje que me enfeitiça as lembranças mas a de há oito décadas, e não encontro, dentro de mim, diferença entre essa louca de quinze anos e o meu moribundo coração.Os Três Casamentos de Camilla S. é a autobiografia de uma velha senhora que aos noventa anos decide contar a sua vida, incluindo o que ela possa ter de inconfessável. Desde os ambientes à narrativa (que atravessa quase um século de história), estamos perante um livro adequadamente romântico e profundamente moderno, onde estão presentes a poesia e o maravilhoso a que a autora nos habituou.Com este, na altura, o seu terceiro romance, Rosa Lobato de Faria confirmou o lugar de destaque no panorama da nova ficção portuguesa......

Title : Os Três Casamentos de Camilla S.
Author :
Rating :
ISBN : 9789724119045
Format Type : Hardcover
Number of Pages : 207 Pages
Status : Available For Download
Last checked : 21 Minutes ago!

Os Três Casamentos de Camilla S. Reviews

  • Carmo
    2019-05-20 06:26

    De Rosa Lobato Faria só conhecia alguma poesia. E gosto. Gosto da suave melodia com que escreve, da elegante simplicidade, do tom sensual dos seus poemas. A prosa não é muito diferente, também ela é muito poética, e, sobretudo, revela uma mulher muito conhecedora do universo feminino, do que motiva as mulheres, o seu ponto de vista muito particular nas relações, na forma como lidam com o passado e com as dores que ficaram – essa “mania” tão comum à maioria de esquecer o que correu bem, mas ficar a ruminar no que magoou. Foram muitas as passagens escritas neste livro em que pensei, que também eu poderia ter dito aquilo ou, também eu já reagi assim numa situação semelhante. Essa é a parte melhor do livro; o reencontrarmo-nos e revermo-nos nos diversos acontecimentos. Relativamente à história da Camila, gostei da primeira metade do livro: uma rapariga forçada a casar aos doze anos porque a única família que tem são uns tios velhinhos que não querem morrer sem a deixar amparada. O marido tem quarenta anos mas espera pacientemente que ela atinja uma idade aceitável para consumar o casamento. Isto parece romance de cordel, mas está contado de forma engraçada e aceitável. Apesar de algumas contrariedades, Camila é uma rapariga mimada por todos, apaparicada desde o berço, e com um marido que a trata principescamente. Tem uma paixão por um jovem; tão assolapada, tão transcendental, que é mesmo daquelas que só existem nos livros – mas é feliz com o marido. Morre o marido, vem o segundo, tão boa pessoa que quando ela, acometida de um ataque de honestidade, lhe confessa estar grávida do amante, o que é que ele faz? “Em consideração pela tua sinceridade, vou dar-te o divorcio – sem escândalo – vou providenciar para que vivas bem o resto da vida, e o teu filho herdará a minha fortuna.” …querem que eu leve isto a sério?!...A partir daqui perdi o interesse, não tenho paciência para esta faceta corderozinha .A protagonista teve uma vida cheia, amou, sofreu – perdeu um filho, e isso é o pior que pode acontecer a alguém – não viveu plenamente o amor da vida dela, mas amou, à sua maneira, todos os maridos, que sempre a trataram como uma rainha e lhe proporcionaram uma vida de luxo. Como diz o título, ainda houve um terceiro marido……riquíssimo……lá lhe deu outro palácio……que chatice…podem dizer que tenho a sensibilidade de um calhau, eu aguento:)

  • Rita
    2019-06-15 04:23

    "Os 3 Casamentos de Camilla S." é o primeiro livro de Rosa Lobato de Faria que me passa pelas mãos (e olhos). Foi uma compra por impulso numa altura em que procurava um livro diferente do que costumo ler. Fiquei surpreendida com a escrita da autora, muito simples e suave mas com uma pitada de poesia que a torna encantadora. Esperava algo mais descritivo e pesado, tinha claramente a ideia errada. Entretanto já fui pesquisar outras obras da autora, pretendo explorar ainda mais a literatura portuguesa e Rosa Lobato de Faria fará certamente parte da lista.Este romance reúne várias entradas do diário de Camilla, desde a sua infância até aos seus noventa anos, funcionando como autobiografia. Queria escrever um pouco mais sobre a história mas não vejo como fazê-lo sem contar demasiado. Já devem ter percebido que a Camilla se casa três vezes, o título é bastante sugestivo a esse nível, mas não vou adiantar pormenores. Tive algumas dificuldades em perceber se gostei da personagem Camilla, comecei por gostar da sua personalidade forte, mas não compreendi algumas atitudes e percebi que temos opiniões distintas acerca de diversos pontos.Se há algo que quero realçar acerca da experiência que foi ler "Os 3 Casamentos de Camilla S." é a ligação que a autora cria com o leitor, ou talvez deva antes escrever: com a leitora. Um pouco ao jeito de Elena Ferrante (por favor não elevem demasiado as expectativas ao ver o nome Elena Ferrante metido ao barulho!), também Rosa Lobato de Faria consegue levar o leitor a rever-se nas suas personagens, mostrando dominar o universo feminino e conseguindo assim criar uma relação especial com o leitor."Na tua barriguita e na de todas nós, mujeres, há um baguito de romã que amadurece e Deus manda os seus anjos fazerem o ninho onde pode ser deixada uma semente. Se a semente não vem, o ninho se desmancha e suas penas de sangue deixam o corpo da mulher. E outra lua e outro nido e lua atrás de lua e mês atrás de mês e nido atrás de nido, até que a semente venha fecundar o bago de romã. E assim se forma um fruto de vida que ganhará coração e mãos e tudo. E será um menino ao fim de nove luas. Quando a boca do teu corpo expelir pela primeira vez sangue abandonado, serás (que alegria) mujer, (que tristeza) mujer..."Agora que já passaram alguns dias desde que terminei a leitura é que me apercebo de que não me recordo bem das personagens nem da história em sim, o que ficou desta leitura foi mesmo a escrita da autora e a ligação que consegue criar com o leitor. Rosa Lobato de Faria já faz parte dos meus planos para 2017!Opinião no blog:http://clarocomoaagua.blogs.sapo.pt/

  • Patrícia
    2019-06-12 07:19

    Ler os livros de Rosa Lobato de Faria é sempre um prazer.Acho que a escritora tinha o talento de simplificar o complexo, de nos contar uma história cheia de tudo em meia dúzia de palavras simples, sem pretensiosismos. Não há palha nos livros dela, não há palavras a mais, não há palavras supérfluas e no entanto não fica nada por contar, não ficam sentimentos para transmitir. Porque este, como outros livros da tia Rosinha que já li, são sentimentos em palavras, são histórias de vidas normais, vidas que podiam ser nossas e que no entanto são excecionais.As mulheres criadas pela Rosa Lobato de Faria são sempre mulheres fortes, especiais. Desta vez é Camilla que aos noventa e tal anos resolve escrever a sua biografia, baseando-se nos diários que manteve ao longo dos anos. E assim, ao som das palavras e dos amores de Camilla (uma senhora não fala de política) atravessamos o sec. XX e conhecemos Camilla, Paca (uma personagem maravilhosamente misteriosa) a sua ama, os seus três maridos e os seus amores, os amigos e os inimigos. E assim de raspão, temos um vislumbre do Portugal do Séc XX, desde a monarquia à democracia, com um toque muito pequenino de ditadura, que este livro é um livro doce e maravilhoso que fala de coisas importantes e não de detalhes políticos (não se fala de política junto das senhoras, já vos tinha dito?). Num livro tão pequenino que se lê quase de uma assentada falamos de amor, de desamor, de família, de saudade, de perda, de morte, do que é ser-se mulher numa sociedade que tanto tem mudado mas que em tanto se mantém igual. Fala-se de destino, de sombras e sangue, fala-se de culpa e de redenção, de paixão e da felicidade da serenidade.Os livros da Rosa Lobato de Faria são deliciosos. E eu, que já tenho quase todos, vou lendo-os devagarinho, para os fazer durar, e vou guardá-los com o carinho com que guardo uma suave lembrança.

  • Raquel Silva
    2019-06-08 05:16

    É o terceiro livro que leio da autora e cada vez gosto mais da sua escrita :)

  • Inês
    2019-06-17 07:05

    Depois de tanto ler Rosa Lobato de Faria, devo concluir que este é dos seus melhores livros, com uma escrita leve, fluída, extremamente sensível e dinâmica, e com uma história riquíssima, que envolve romance, história, críticas, etc. A bela escrita desta autora não me é novidade, mas devo frisar que esta história é sem dúvida muito leve, lê-se rapidamente e com prazer. A história de Camilla é muito comovente, não consegui conter lágrimas e emoção ao ler certos excertos, devido ao seu sofrimento e sobretudo, como ela descrevia o que sentia, que realmente parecia real e chega ao ponto de que o leitor também consegue sentir essa dor. A achei impressionante como Rosa Lobato de Faria conseguiu criar uma personagem que vive duas guerras, o Estado Novo, o 25 de Abril, enfim, tantas transformações na sociedade, e como esta manifesta os seus pensamentos e através destes, a autora conseguiu criar críticas (o exemplo de que a mulher era vista como um ser não produtivo e não pensante). Mas o que mais causou impacto no meu ser, foi o amor entre Camilla e a sua ama cigana/espanhola e como este, apesar de Camilla ter amado muito na sua vida, Paca (a ama), foi o amor mais forte, mais belo, mais puro. O amor entre duas pessoas, não unidas de sangue nem qualquer laço, pode ser realmente um caroço difícil de roer. Não contive as lágrimas na morte de Paca, como a morte desta é descrita, é impossível um leitor sensível ficar imune à descrição destes sentimentos, tão belos escritos. A Rosa Lobato de Faria tem um lugar especial no meu coração, porque através dos seus livros aprende-se muita coisa, sobretudo a amar, a valorizar as coisas mais simples. Tive de dar 5 estrelas a este magnífico livro que terei de ler várias vezes.

  • Isabel Maia
    2019-05-22 10:02

    Aos noventa anos, Camilla começa a escrever a sua auto-biografia, baseando-se nos seus diários que mantém até à data. Aos longos das páginas, Camilla revê a sua vida, desde a sua infância de orfã criada pelos tios-avós numa quinta de Sintra, passando por aquilo que considera ser o ponto fundamental da sua existência como pessoa e mulher, os seus três casamentos. Para Camilla, os seus casamentos marcaram diferentes momentos, ou ciclos, da sua vida. O denominador comum dos três passa pelo apelido dos seus maridos, todos começados com a letra S, como havia previsto a sua fiel amiga e criada Paca.Não posso começar esta minha opinião mais pessoal sem referir o misto de sensações que me assolou durante a leitura do mesmo. Se por um lado estava satisfeita por ter nas mãos uma obra tão boa, por outro sentia um vazio por saber que Rosa Lobato de Faria já não está entre nós para presentear os seus leitores com a sua arte. Mas passando ao livro propriamente dito. Esta é uma obra excelente, que me deu muito prazer ler. A história atravessa quase um século de vida de Portugal. Acompanhamos pelos olhos de Camilla diversos acontecimentos históricos desde o Regicídio, passando pela Implantação da Républica, o início do Estado Novo e o 25 de Abril. É interessante ver como a própria maneira de estar da protagonista vai se modificando com o avançar dos anos, desde o tempo em que não era bem visto uma senhora falar de política ao tempo em que a própria fazia questão que a informassem do que se estava a passar. A escrita é de uma beleza imensa, carregada de poesia em forma de prosa, com toques de romantismo e modernidade. Um livro que recomendo vivamente a toda a gente.

  • Ana
    2019-05-25 02:08

    Camilla vive uma vida longa e preenchida. Durante os seus noventa e tal anos, casa três vezes e tem dois filhos. Cada casamento simboliza no fundo uma etapa da vida desta mulher e corresponde a várias fases de crescimento emocional. Paralelamente aos vários casamentos, uma grande paixão acompanhou Camilla ao longo dos anos, paixão que influenciou todo o seu comportamento.

  • Iria Cardoso
    2019-06-01 02:05

    Uma narrativa romântica, desvendando a juventude de uma mulher que tenta ser melhor e que se apaixona perdidamente pelos seus maridos. Aconselho.

  • Sofia
    2019-06-07 02:03

    Não sendo uma pessoa que aprecie romances, confesso que peguei neste livro a medo, apenas impulsionada pela curiosidade em conhecer a autora. Para minha grande surpresa e satisfação, não se trata de um romance qualquer, em que a heroína sofre desgraçada por amor, depois encontra o príncipe encantado e vive feliz para sempre. Camilla, a protagonista, leva-nos através da história de oitenta dos seus noventa anos de vida. Começa no início do século xx e acompanhará não só os principais marcos pessoais da sua vida, mas também os principais eventos que marcaram a História.O que mais me agarrou logo no início foi a escrita simples e despretensiosa, mas elegante; o que ajuda a que uma narrativa que começa com um casamento arranjado aos doze anos, inclua três casamentos e uma ama cigana vidente, e passe pelos momentos negros da História que já conhecemos de antemão, consiga escapar ao melodrama e, ao invés, se transmita num tom factual, mas intimista.Camilla é uma protagonista honesta o suficiente para nos dar o seu ponto de vista inadulterado, isto é, apesar de ser uma história contada em jeito de biografia, acompanhamo-la com o conhecimento e interpretações da altura, mesmo tendo agora conhecimento suficiente para interpretá-lo de outra forma. Camilla é ainda uma personagem incrivelmente forte, que ultrapassa todas as tempestades com resignação. Não é estóica, mas rodeada de pessoas que a amparam também não se deixa afundar no fatalismo da heroína romântica.Longe de se tornarem o objecto central da odisseia que é a vida de Camilla, os três casamentos servem apenas para enquadrar o que demais a vida contém - os amores, os filhos, os amigos, as decisões e as consequências, o "fazer pela vida", os enganos e a bonança. Tudo isto resulta num belíssimo romance sobre a vida de uma mulher que soube, sem pieguice, enfrentar tudo aquilo que lhe caiu em braços, e ainda amparar e ver desabrochar aqueles que passaram a fazer parte da sua família.

  • Susana
    2019-05-24 06:22

    2,5*, vá...Escrito sob a forma de diário pela protagonista, este livro lê-se a correr.No entanto, a qualidade literária que encontrei noutros livros desta autora está aqui disfarçada numa escrita demasiado fácil, que só muito de vez em quando me agradou.Através da vida de Camilla S. percorremos quase todo o século XX, cujos principais acontecimentos surgem no seu relato, por vezes duma forma que parece um pouco forçada.Não gostei da personagem principal, referida no título, mas gostei da Paca, que lhe serve de contraponto.De qualquer modo, foi uma boa opção para ler nestes dias com poucos momentos de sossego...

  • Nádia Rodrigues
    2019-06-11 09:13

    Uma retrospectiva sobre a vida e os tipos de amor existentes.

  • Ana Marques
    2019-05-25 05:27

    Que livro maravilhoso, que escrita deliciosa! Obrigado Rosa Lobato Faria por este bocadinho ... sim, bocadinho, li o livro de uma assentada!

  • Teresa
    2019-06-19 05:26

    Rosa Lobato Faria nunca desilude. 4,5*

  • Tita
    2019-05-26 05:29

    Com noventa anos, Camilla começa a escrever, com a ajuda dos seus diários, a sua autobiografia, desde menina até à vida actual, contando-nos a sua meninice mas principalmente os seus três casamentos e as suas dificuldades.Este pequeno livro proporcionou-me uma excelente leitura. A escrita da autora é muito envolvente, quase que poética. Também gostei bastante da história de Camilla, que abrange quase um século de história, passando por acontecimentos marcantes, como o Regicídio e a Implantação da República, que servem como pano de fundo da vida de Camilla. Foi também bastante interessante ver o crescimento de Camilla, desde menina até a mulher adulta.Se achei toda a história credível? Não, principalmente os acontecimentos relacionados com André e com o segundo marido, que me pareceu "bom demais", e ficou tudo muito "cor-de-rosa". E daí não ter dado uma classificação superior, pois acaba por ser uma história de menina/mulher rica, que apesar de tudo, tem uma vida demasiado folgada.Para mim, o livro destaca-se pela beleza da escrita de Rosa Lobato de Faria, e vou querer ler mais livros da autora, principalmente "As Esquinas do Tempo".

  • Rita R.
    2019-05-29 07:09

    Este livro fez-me refletir imenso sobre coisas que nunca pensei que iria refletir. Apesar das quatro estrelas que dei como classificação a este livro, penso que tem uma história completamente cativante, chamativa. Confesso que livros de autores portugueses nem sempre são apelativos para mim, porém estava na biblioteca da minha escola, e ao ver as capas dos livros que estavam lá, a tira cor-de-rosa que envolvia a branca mais fina chamou à minha atenção, tal como a capa. Muita gente diz que não se pode julgar o livro, mas eu acho que tem vezes que as capas refletem o conteúdo interior por desvendar. Resumindo, este livro trouxe-me muita satisfação. Podemos refletir sobre a vida que Camilla passou, que apesar de na maioria das vezes estar financeiramente estável, passar por situações que nem nos cabe na cabeça. Podemos refletir nas palavras sábias que diz quando velha. É um livro que faz renascer uma pessoa.

  • N_alex
    2019-05-30 07:24

    O que posso dizer dizer deste livro? Surpreendeu-me pela positiva, fez-me sentido e, mais do que tudo, prendi-me à sua leitura. Nunca tinha lido nada da autora em questão e, fiquei com vontade de ler mais. Uma escrita fluída, simples e cativante que nos dá a conhecer, em forma de diário, a vida de Camilla S., uma senhora de 90 anos que, como o título do livro indica, casou três vezes. Mais do que uma história de amores e desamores, na minha opinião e, tendo em conta o período histórico no qual se localiza, o livro acaba por trazer uns breves apontamentos sobre a períodos históricos de Portugal e do mundo o que, acaba por também ser interessante ao longo da sua leitura.

  • Ricardo Ribeiro
    2019-06-04 07:01

    Adorei. Tudo. Que agradável surpresa, nunca tinha lido nada da Rosa Lobato Faria. Uma ideia original, uma prosa magnífica, um livro que li num tiro, em dois dias. Algumas deficiências - creio que não foi intencional - no enquadramento histórico, nas datas e fita de tempo da Segunda Guerra Mundial, mas não é por ai que se perde. Achei engraçado sentir as características geracionais da autora na prosa, na escolha deste ou daquele vocábulo, nos enquadramentos.

  • Patriciacabrinha
    2019-05-25 04:04

    Um livro em romance escrito como se fosse poesia, como Rosa Lobato Faria tão bem nos habituou.Lemos sobre o amor, mas também sobre a ilusão, sobre a efemeridade da vida e sobre a morte. Sobre o que as portas escondem, narradas de forma a se perceber que todos mentem, todos amam, todos sofrem, todos lutam, todos são o centro do seu mundo.

  • Rita Reis
    2019-06-15 03:23

    Foi o primeiro livro que li da Rosa Lobato Faria e confesso que não estava com muitas expectativas mas gostei muito. Ao longo das várias décadas do séc. XX e ao longo de três casamentos, completamente distintos - um por obrigação, outro por necessidade/conveniência e um terceiro por ternura -, a história de uma mulher com uma vida muito cheia.

  • Cátia
    2019-05-25 10:13

    Surpreendeu-me e muito :)

  • Ana Luisa
    2019-05-27 04:20

    A minha primeira leitura da autora.Achei muito interessante, as descrições, os avanços e recuos.. todo o livro parece uma conversa de café com. Muito leve.